sexta-feira, 15 de janeiro de 2016

Cenografia no tom da cultura

O algodão colorido é trama e tom da cenografia do Salão de Artesanato da Paraíba.


O algodão colorido orgânico é o fio condutor. A pluma que já nasce em tons terrosos empresta seu valor patrimonial à cenografia do XXIII Salão de Artesanato da Paraíba. O projeto idealizado pelo Estúdio Sérgio J. Matos faz uma intrincada tessitura de elementos que remetem à cadeia produtiva, desde os campos áridos do agreste do Estado ao fabrico de têxteis com representação expressa nos teares de engrenagem artesanal.

O ponto de partida conceitual da cenografia rememora o ciclo do “ouro branco” na história econômica e social do Nordeste, onde a Paraíba desempenhou papel de relevância no século passado. É o passaporte para adentrar no universo da recente ascensão do algodão colorido como símbolo de sustentabilidade e matéria-prima de produtos do novo luxo no mercado internacional. A inspiração está ancorada no valor patrimonial do produto - com certificação de Indicação Geográfica concedida pelo Instituto Nacional de Propriedade Intelectual (INPI) - e cultiva referências culturais, históricas e territoriais que o tornam genuinamente paraibano. 

A ambientação do hall de entrada convida a uma imersão na trama do algodão colorido. Fios entrecruzados revestem o teto e as paredes laterais e simulam uma grande peça têxtil recém saída do tear exposto na porta principal. No jogo de luz e sombra, manequins flutuam com a coleção da marca Natural Cotton Color. Na área de descanso, a atmosfera é a dos antigos armazéns de algodão. As sacas de plumas empilhadas dão vida a sofás e a iluminação intimista traduz aconchego.

Como em um caminho inverso ao da cadeia de produção, o roteiro do Salão termina na plantação imaginária do algodão, onde galhos vermelhos suspensos cobrem a praça de alimentação. É o espaço para as coisas que brotam da terra, que têm sabor de cultura e alimentam corpo e alma com histórias e saberes ancestrais. Coisas de gente genuína e de fibra, como o próprio algodão que dá o tom à cenografia do maior evento da arte popular na Paraíba. 

[English Text]


Scenography at the culture tone

The colorful organic cotton is the guiding wire. The plume that is born in earthy tones lends its heritage value to the scenography of the Paraíba Craft Salon XXIII. The project conceived by Sergio J. Matos Studio makes an intricate mixture of elements that refer to the production chain, from the arid fields of the State the manufacture of textiles with representation expressed in artisanal gear looms.

The conceptual starting point of the exhibition design recalls the cycle of "white gold" in economic and social history of the Northeast, where the Paraiba played a role of relevance in the last century. Is the Passport to enter the universe of the recent rise of colorful cotton as a symbol of sustainability and raw material for new products in the international market. The inspiration is anchored in the equity value of the product - certification of geographical indications granted by the National Institute of Intellectual Property (INPI) - and nurtures cultural, historical and territorial references that make it genuinely Paraíba born.

The ambiance of the lobby invites you to an immersion into the colorful cotton plot. Interwoven strands lining the ceiling and sidewalls, simulating a large textile piece fresh, out of the loom above the front door. In a game of light and shadow, dummies floating with the collection of Natural Cotton Color mark. At the rest area, the atmosphere is that of the old cotton warehouses. The bags of pilled plumes give life to sofas and intimate lighting translates coziness.

Like in an inverse path of the production chain, the script of the Saloon finishes on the imaginary plantation of the cotton, where suspended red branches cover the food court. It is the place of the things that springs from the earth, which has the flavor of the culture and feed body and soul with stories and ancestral knowledge. Things of genuine and fiber people, like the same cotton fiber, making the tone of scenography of the main event of popular art of Paraíba.
Manequins flutuam com coleção de roupas produzidas com o algodão colorido da Paraíba.
As sacas de algodão, como em um antigo armazém, dão vida aos sofás da área de descanso.
Na área de descanso as luminárias com fio de algodão colorido criam ambiente intimista.
Os galhos vermelhos suspensos no teto da praça da alimentação simulam campos de algodão.


5 comentários:

  1. Seu trabalho tem um diálogo muito preciso com as tendências contemporâneas do design, é equilibrado e diverso, aprecio muito a escolha que faz de materiais naturais em suas construções, ao meu ver, uma particularidade admirável e coerente para um profissional brasileiro, já que nosso clima pede esses elementos, consigo perceber o fabril com cara de fabril (ainda muito descartado pela sociedade de consumo, atual que para mim não passa de uma atitude patética de gente que não tem informação ou possui gosto de caráter duvidoso, afinal somos um país tropical), vc prima pelo acabamento, e conclui a obra sem excessivismos.
    Parabéns pelo primoroso e impecável trabalho nessa edição do Salão Paraibano, vc é grande Sérgio J. Matos.
    Cello Lima
    Artista Plastico e produtor cultural

    ResponderExcluir
  2. Seu trabalho tem um diálogo muito preciso com as tendências contemporâneas do design, é equilibrado e diverso, aprecio muito a escolha que faz de materiais naturais em suas construções, ao meu ver, uma particularidade admirável e coerente para um profissional brasileiro, já que nosso clima pede esses elementos, consigo perceber o fabril com cara de fabril (ainda muito descartado pela sociedade de consumo, atual que para mim não passa de uma atitude patética de gente que não tem informação ou possui gosto de caráter duvidoso, afinal somos um país tropical), vc prima pelo acabamento, e conclui a obra sem excessivismos.
    Parabéns pelo primoroso e impecável trabalho nessa edição do Salão Paraibano, vc é grande Sérgio J. Matos.
    Cello Lima
    Artista Plastico e produtor cultural

    ResponderExcluir
  3. Não há email ou telefone para contato... Gentileza contatar joao@porquemkt.com.br

    ResponderExcluir
  4. uma linda instalação, espero que ele tenha recebido o pagamento por este trabalho, fiquei sabendo que muitas pessoas que trabalharam não receberam pagamento até hoje, isto mostra a falta de respeito deste governo com a arte a cultura os artistas, aliás, falta de respeito com o cidadão

    ResponderExcluir
  5. só emprestei estas peças do meu acervo, em respeito ao algodão colorido, que hoje é a vida de minha empresa e as pessoas que participaram do projeto, como sergio e outros

    ResponderExcluir