segunda-feira, 31 de outubro de 2016

O futuro feito à mão

Dinalva, artesã de Barcelos, Amazonas: habilidade com a trama da piaçava.
O movimento inverso respira cultura. Se interpõe à produção industrial em larga escala, ao magnetismo do tecnológico. O novo tempo cabe na palma da mão. É o artesanal marcando uma nova escala em objetos únicos, com a etiqueta de exclusividade. O feito à mão exibe a originalidade como marca. Conecta o passado e projeta um futuro com abrigo na ancestralidade. Reaviva saberes e ofícios entrelaçados à formação da história social, às memórias afetivas, ao sentimento de acolhida e pertencimento. Configura a identidade territorial em tempos de uma globalização que apaga fronteiras. 

O futuro tem calor humano e se desenha agora, no presente. Enxergo os vestígios e os persigo certo de que trará bons frutos, que agrupará pessoas, que transformará realidades. Vejo os sinais ao longo dos seis anos da abertura do estúdio. Com os pés na estrada do Design gravei lugares na memória, conheci personagens ímpares. Vivenciei ofícios ancestrais nas comunidades artesãs, vi tramas exuberantes, tessituras perfeitas, entalhes vigorosos em objetos que pertencem à vida cotidiana. Senti o sabor de muitas feiras livres, ouvi burburinho com mistura de sotaques, testemunhei tradições com aura sagrada pelos ritos que as embalam. Pisei universos particulares.

Aos meus olhos, o mapa destas experiências exibe a retomada fortalecida do trabalho artesanal. Abraço as consultorias e projetos nas comunidades artesãs como semeadura da economia criativa, do empreendedorismo, do empoderamento social e da valorização identitária. A extensão do país miscigenado é terra farta para inúmeros brasis que resgatam suas origens e fazem dos ofícios e saberes ancestrais ferramentas transformadoras. No novo tempo que se avizinha o luxo traduz o que é único por carregar uma história de vida, um sentimento, uma herança familiar, uma ideia original. Nesse futuro feito à mão projeto sonhos. É onde quero habitar para fortalecer na fusão do design com o artesanato produtos com alma. Com digitais que despertam emoção.

[ English Text ]

The Future made by hand

The inverse movement breathes culture. In between the large scale industrial production, and magnetic technology. The new time fits on the palm of hand. It is the handmade marking a new scale of unique objects, with a labor of exclusiveness. The handmade shows the originality as brand. Connects the past and projects a future of shelter on the ancestry. Revive knowledges and crafts tangled to formation of social history, to affective memories, to the feeling of welcome end belonging. Configures the territorial identity in times of a globalization that erases borders.

The future has human heat and it draws right now, on the present. I see the I see the traces and I am certain that it will bring good fruits, that will bring people together, that will transform realities. I see the signs of long six years of opening the studio. With the feet on the roads of Design, I recorded places on memory, met great people. Lived ancestral crafts on artisan communities, saw lush wefts, perfect tesserae, vigorous carvings on objects that pertain to everyday life. I tasted many free fairs, I heard rumble with a mixture of accents, I witnessed traditions with aura of sacredness by the rites that cradled them. I stepped particular universes.

To my eyes, the map of these experiences shows the strengthened resumption of craft work. I hug de consultancy and projects at artisan community as seeds of creative economy, of entrepreneurship, of social empowerment and identity valorization. The extension of the mixed country is rich land of countless Brazils who rescue their origins and make the ancestral trades and knowledge the transforming tools. In the new time that neighbors the lust, translate that it is unique for carrying a life story, a feeling, a family heritage, an original idea. On this future made by hand, I project dreams. It is where I want to inhabit, on the fusion of design with the hand craft, products with soul. With digital that creates emotion.
Dona Rosa, artesã Tikuna de Porto Cordeirinho, Amazonas: respeito ao sagrado da floresta. 
No Amazonas a cestaria de José Garcia carrega heranças de seus ancestrais.
Em Manaus, Ema é uma das líderes da Amarn, associação que preserva as tradições indígenas.
Sérgio Matos: "O feito à mão projeta um futuro com abrigo na ancestralidade".
Poltrona Acaú: design com digitais das marisqueiras da Praia de Acaú, no litoral paraibano.


Nenhum comentário:

Postar um comentário